Responsive image

Provocações filosóficas: olhares diversos

Por: Claudinei Pereira
Mestre em Filosofia Ética e Política pela Universidade Federal do Piauí (UFPI) e Doutorando em Filosofia pela Universidade Federal do Espírito Santo (UFES).


Pós-coronavírus e mentes perdidas: dois saltos no precipício


Data: 27/09/2020 06:59

Na minha coluna dominical, convidei o amigo Valter Nascimento, Graduado em Filosofia pelo Instituto de Estudos Superiores do Maranhão (IESMA); Especialista em Filosofia Ética e Política pelo IESMA e Professor Substituto da Universidade Estadual do Maranhão (UEMA), para fazer uma abordagem sobre o "pós-pandemia".

Valter Nascimento, Graduado em Filosofia pelo Instituto de Estudos Superiores do Maranhão (IESMA); Especialista em Filosofia Ética e Política pelo IESMA e Professor Substituto da Universidade Estadual do Maranhão (UEMA)

"O coronavírus veio como que um acelarador de futuro e colocou em xeque muitas questões até então encobertas pelo véu da tradicionalidade".

O mundo perpassa por uma transformação por demais devastadora em todos os aspectos do seu organograma, o mundo de antes do Coronavírus não existe mais, é notável a sua desintegração. Se existir algumas pessoas em seu ciclo social que ainda ouse sonhar ou se reportar com um mundo vivido em 2019, afastem-se dessas pessoas, pois as mesmas ainda não conseguiram fazer a transmutação de uma esfera polar a outra. Ainda não conseguiram entender que o Coronavírus tornou-se o grande marco referencial do séc.20, tão devastador quanto foi a Primeira Guerra Mundial no século 19. Um século (20) marcado por uma grande demanda tecnológica, encontra na Pandemia do novo coronavírus o seu fechamento e põe em evidencia uma questão bastante crucial, de que a ciência ainda não tem todas as respostas que possam satisfazer a humanidade.

O coronavírus veio como que um acelarador de futuro e colocou em xeque muitas questões até então encobertas pelo véu da tradicionalidade, mas com esse novo mundo são desveladas e reveladas como a nova configuração do mundo. Dentre essas questões podemos mencionar o trabalho remoto, a educação a distância, a cobrança da sociedade junto as empresas para que estas sejam mais coerentes e responsabilizadas frente as demandas sociais que atravessam as necessidades humanas. Dentre essas necessidades mencionamos a mente humana, elemento constituinte do título do nosso ensaio filosófico.

As mentes humanas começam a seu questionar em meio as inúmeras incertezas trazidas pela Pandemia e inicia-se uma corrida pelo reencontro da própria identidade em um mundo sem identidade. Pois, as certezas afirmadas no passado não faram parte desse novo jeito de ser HUMANO.

A máquina humana, tratada muitas vezes como robô inquebrantável e capa de suportar todas as adversidades do cotidiano, experimenta hoje uma realidade completamente diferente das tantas outras enfrentadas pelo mesmo. Uma ameaça que se torna massacrante a cada óbito ocasionado pelo vírus, proporcionando uma sensação de incapacidade por parte desta máquina tão acostumada a enfrentar as mais diversas situações-problemas e sair ilesa de todos os obstáculos enfrentados. Se ver presa e acorrentada na incerteza de não poder contemplar o novo porvir. Os eletros que interligam cada ponto no epicentro da mente dessa máquina, inicia um processo de pane, movido pelo caos provocado pelo vírus no seu sistema central e este começa a dá sinais de cansaço e sufocamento. O medo de desaparecer e deixar de viver as complexidades da vida, toma conta do homem, o Coronavírus ameaça por todos os lados. Acredita-se e tem-se quase certeza de que a vida não ficará mais fácil de ser vivida após o distanciamento social, será ainda mais duro e difícil. Pois, as mentes estarão confusas e cheias incertezas. Incertezas agora provocadas não pelo vírus, mas pela falta de perspectivas, pela falta de empregos, pela falta de futuro e por um mundo mergulhado numa grande depressão social, fruto de uma consciência asfixiada pela consciência da mortalidade e da fragilidade da matéria.

Conforme, especifica o filósofo italiano Franco Berardi em seus livros intitulados de: Asfixia e Depois do Futuro ( 2019 e 2020) anos de publicação das obras em língua portuguesa. O filósofo explicita em seu pensamento uma possibilidade de fuga dessa “grande depressão”. “É preciso corpo e afeto para dar novo significado ao tecido social e às interações coletivas - promover mais encontros e menos fragmentação”. Com isso, o filósofo quer explicitar que ao término da pandemia as pessoas se encontrem mais, conversem mais, se namorem mais (na perspectivas da pessoa humana). E preciso resgatar o erotismo pelo ser humano, enfatiza o pensador, para que desta forma a humanidade não permaneça imersa nessa grande depressão mental generalizada e pessimista e acabe construindo uma sociedade da desesperança.


posts anteriores

Da dúvida à cristalização do amor

Ilustração Os encontros são inesperados, todavia, podemos nos questionar até que ponto não fazem parte de uma conjuntura de, como diria Nietzsche, do “amor fati” [aceitação e a violação da necessidade]? Isto é, o amor ao destino [lat. Fatum]? Como conjugar “o tempo certo, a hora e a pessoa certa”? Talvez só por meio de uma sensibilidade motivada pela empatia e pela vontade poderemos...
Continuar lendo
Data:30/08/2020 08:17

A VIOLÊNCIA REDUPLICADA: A agressividade doméstica em tempos de Covid-19

Na minha coluna dominical, convidei as amigas, *Camilla Doudement Oliveira e **Rayane Guimarães, advogada e geógrafa, respectivamente, para fazer uma abordagem sobre a violência doméstica em tempos de Pandemia.  (Esquerda) *Camilla Doudement Oliveira, Advogada. Especialista em Direitos Humanos. Secretaria de Organização da UJS Caxias-MA. Educadora Popular e Ativista - (Direita) **Rayane Guimarães, Geógrafa, Militante do Movimento...
Continuar lendo
Data:16/08/2020 10:36

Por que os falsos amores são os mais verdadeiros?

Imagem Ilustrativa Este texto não trata de uma experiência particular, mas buscará envolver os leitores às suas próprias experiências observáveis aos quais se permitam envolver! Deste modo, a primeira pergunta que os leitores costumam fazer diante de tal temática é: existe amor verdadeiro? É como se alguém tomasse o texto de Honoré de Balzac Pequenas misérias da vida conjugal e se perguntasse:...
Continuar lendo
Data:19/07/2020 07:40

Copyright © 2020. Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por: