PESQUISA

Maranhão registra quase 100 casos de abuso sexual por mês contra crianças

Os dados mais recentes são da Secretaria de Segurança Pública e apontam 321 casos de janeiro a abril deste ano.
Data de publicação: 13/08/2019 10h41
Atualizado: 13/08/2019 19h46

O Maranhão registrou em 2019 quase 100 casos por mês de violência sexual contra crianças. Os dados mais recentes são da Secretaria de Segurança Pública e apontam 321 casos de janeiro a abril deste ano. Em 2018 foram 1.047 casos. Essa realidade pode ser ainda mais assustadora, já que muitos casos não chegam a ser denunciados.

O Centro de Perícias da Criança e do Adolescente em São Luís recebe cerca de 200 casos para analisar por mês, só na região.

“Temos casos aqui que não tinha o vestígio físico, a conjunção carnal, e que, no laudo psicológico, foi possível coletar um relato dela, os sinais, os sintomas da criança ou do adolescente, o que também é considerado uma prova”, declara a psicóloga Simone Rodrigues.

“Há estimativas de organismos internacionais que demonstram que os números que chegam aos organismos oficiais não chegam nem a 10% do que efetivamente acontece. Então é um problema que ainda está ocultado, ainda não temos uma dimensão real do problema e nós precisamos trabalhar em cima disso para que essa cultura de estupros ocorridos dentro das relações familiares pare de acontecer como está”, declara a delegada especial da Mulher, Kazumi Tanaka.

De acordo com pesquisadores e especialistas, as consequências do abuso sexual devastam vidas e famílias.

 “O abuso sexual traz consequências que podem se manifestar durante o tempo do abuso, mas geralmente essas consequências perduram. Para a família, existe um pacto de segredo estabelecido que seja extremamente danosos, não só para a pessoa que é vítima, como, por exemplo, para os outros membros da família”, afirma a psicóloga Sandra Ory.

Outra característica comum entre casos de abuso contra menores está na relação de confiança e proximidade entre vítima e abusador.

“Os agressores se prevalecem da situação da relação de confiança que existe com a vítima e, por isso, os números indicam que 90% das agressões e abusos sexuais cometidos contra crianças e adolescentes são praticados por pessoas próximas ou do ciclo familiar dessa vítima. A gente tem pai, padrasto, avô, avó, tios, irmãos, amigos íntimos, vizinhos… que se prevalecem da relação de confiança e o silêncio”, explica a delegada da Criança e do Adolescente, Ana Zélia Gomes.





mais notícias


Copyright © 2019. Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por: