ESPECIAL

#TBT| Clube Lítero Português foi um dos mais importantes pontos de lazer em São Luís

Inaugurado em 1931, o Clube atingiu seu ápice entre os anos 1970 e 1980.
Por: PORTAL JG - Juliano Amorim
Data de publicação: 28/11/2019 11h35
Atualizado: 03/12/2019 11h14

Os moradores de longa data da capital maranhense poderão se lembrar, com certa vividez, de uns dos locais mais aclamados da cidade em dias outros: o Grêmio Lítero Recreativo Português. O clube, inaugurado em 1931, ostenta vigorosos 88 anos, perpetrados por imagem e voz daqueles que puderam vê-lo ainda em pleno funcionamento. 

O "Lítero", assim chamado, à moda apressada, era símbolo de garbo e pompa da alta sociedade maranhense. Fazia-se merecer, para frequentá-lo, ser sócio do Clube, em jus ao prestígio do local. Festanças, nobres solenidades e carnavais se faziam ali. Estas confraternizações, pois, sem aparente relação, só poderiam denunciar algo:  por qual razão, pouco importa. Basta que seja no Lítero. Algum requinte há.

O cruzar de braços das famílias, aos fins de semana, também acontecia naquele espaço, no bairro tradicional do Anil. Se não era popular no sentido de usufruto geral, não se podia dizer o mesmo quanto à fama do lugar. Alguns, mais velhos, queixam-se de tê-lo visto apenas do lado de fora. Hoje, lamentavelmente, a casa de recreio se encontra de portas abertas. Aos sócios e aos que só quiserem espiar.

A depredação dos entornos e do pórtico denuncia o estado de coisas que levaram o Lítero à decadência. O Clube fechou as portas em 2009, e, desde então, o que se vê ali é o abandono generalizado, que em nada sinaliza nobreza. O mesmo aconteceu com o Clube vizinho, Jaguarema, cujas instalações deram, hoje, espaço a um lixão. 

Se não parece generoso pensar que lugares nobres, outrora, foram à bancarrota, há que fazer valer a memória. E, neste ponto, o Lítero sempre terá o seu quinhão, sendo celebrado como peça importante de um período da história de São Luís. Ainda que só na memória de quem viu; mesmo que só nas histórias de quem ouviu falar.





mais notícias


Copyright © 2019. Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por: