LAVAGEM DE DINHEIRO E RECEBIMENTO DE PROPINA

Márcio Lobão, filho do ex-senador Edison Lobão, é preso na 65ª fase da Lava Jato

Há registros de lavagem de dinheiro em compras e vendas de obras de arte, vendas de imóveis, simulações de empréstimos familiares e movimentação em contas offshore.
Data de publicação: 10/09/2019 19h00
Atualizado: 10/09/2019 19h01

marcio_lobao_edison_lobao
Márcio Lobão e Edson Lobão, pai e filho, agora são reús no processo da Lava Jato.
Foto: Reprodução

Márcio Lobão, filho do ex-senador e ex-ministro Edison Lobão, foi preso na manhã desta terça-feira (10) na 65ª fase da Lava Jato, de acordo com o Ministério Público Federal (MPF). A prisão é preventiva, ou seja, por tempo indeterminado e foi efetuada no Rio de Janeiro (RJ).

O mandado de prisão foi expedido contra Márcio Lobão porque, conforme o MPF, há indícios de que ele permanecia praticando o crime de lavagem de dinheiro em 2019.

Segundo o MPF, Márcio Lobão e Edison Lobão solicitaram e receberam propinas dos Grupos Estre e Odebrecht em R$ 50 milhões entre 2008 e 2014.

A nova etapa da operação investiga crimes de corrupção e lavagem de dinheiro proveniente de pagamento de vantagens indevidas relacionadas à Transpetro, que é subsidiária da Petrobras, e à Usina Hidrelétrica de Belo Monte, no Pará.

lobao
Márcio Lobão foi preso na manhã de hoje (10) em sua casa localizada no Leme,
orla do Rio de Janeiro. Foto: Reprodução 

Esta fase tem como objetivo, conforme o MPF, aprofundar as investigações sobre as operações de lavagem de dinheiro realizadas pelo filho do ex-ministro.

O MPF informou que há registros de lavagem de dinheiro em compras e vendas de obras de arte, vendas de imóveis, simulações de empréstimos familiares e movimentação em contas offshore.

Edison Lobão e o filho Márcio Lobão já são réus na Lava Jato por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. A denúncia aceita pela Justiça trata de crimes cometidos, segundo o MPF, entre 2011 e 2014, no valor de R$ 2,8 milhões, por intermédio da Odebrecht.

A defesa de Márcio Lobão disse que tratam-se de fatos antigos, que envolvem investigações diferentes, "sobre as quais não houve nenhuma ação dos investigados a impedir ou dificultar o trabalho do órgão de acusação".

Segundo o advogado de Márcio Lobão, "a decretação de prisão mostra-se desnecessária e viola princípios básicos do direito, que devem ser restabelecidos pelo Poder Judiciário".





mais notícias


Copyright © 2019. Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por: